Economias da zona do euro respondem de forma desigual à turbulência econômica, gerando desafios para o BCE

Os preços na zona monetária de 19 países subiram um recorde de 8,6% em junho em comparação com o mesmo mês de 2021.(Foto: Reprodução)

Porto Velho, RO - Xinhua - As economias da zona do euro estão respondendo de forma desigual à turbulência econômica das últimas semanas, aumentando os riscos para o Banco Central Europeu (BCE) enquanto se prepara para aumentar as taxas de juros pela primeira vez em mais de uma década.

O indicador econômico que a maioria dos economistas está de olho é a inflação. Os preços na zona monetária de 19 países subiram um recorde de 8,6% em junho em comparação com o mesmo mês de 2021, segundo o Eurostat.

Esse número quebrou o recorde anterior da zona do euro estabelecido apenas um mês antes, quando em maio a inflação anual foi de 8,1%.

A União Européia começou a acompanhar os dados econômicos da área do euro em 1997, dois anos antes da criação da moeda comum.

Os aumentos de preços da zona do euro variam, de um mínimo de 5,2% na França a 20,0% na Estônia em maio, que junto com a Lituânia (onde os preços subiram 18,9%) e a Letônia (16,9%) são os países da área do euro mais atingidos pelo aumento da energia provocado pelo conflito entre a Rússia e a Ucrânia.

Na Espanha, os preços subiram 10,2% em junho em base anual, a taxa mais alta desde 1985. A taxa de 8,0% registrada para a Itália em junho foi a mais alta desde 1986.

Outros indicadores também variaram: os níveis de desemprego da zona do euro no último período do relatório variaram de 2,8% na Alemanha a 13,1% na Espanha. As estimativas de crescimento econômico para este ano na área do euro variaram de apenas 1,0% na Estônia a 5,8% em Portugal.

"O maior problema que as economias da zona do euro enfrentam agora é a incerteza", disse Giuseppe De Arcangelis, professor de economia internacional da Universidade La Sapienza de Roma, à Xinhua.

De Arcangelis se referia aos aumentos de preços e outros impactos decorrentes da crise na Ucrânia, bem como à política monetária do BCE, que disse que aumentará as taxas de juros este mês pela primeira vez desde 2011, na tentativa de reduzir a pressão inflacionária reduzindo o fornecimento de euros.

"O BCE não pode fazer muito, já que estamos sofrendo um choque negativo de oferta e um choque de demanda ao mesmo tempo", disse De Arcangelis. "Mas eles parecem estar dispostos a reduzir a inflação mesmo à custa do crescimento econômico".

Fonte: Brasil247


Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
Plantão Policial